24 de set de 2010

Em Baixo da mesinha.

Caindo novamente em meus sonhos, dessa vez apareci em uma cozinha, cortando legumes na tabua de madeira.
Olho em volto, e o que é isso em volta? Onde estou?
Largo a faca e começo a andar pelo lugar. Saindo da cozinha, passando pelo corredor, vi um movimento e logo olhei.
Era apenas o espelho que estava na parede.
Cheguei pertinho e comecei a me observar. Estava com um rosto fino, cabelo loiro e comprido. Com os brincos na orelha sem meus habituais pircings.
Estiquei a pele do meu rosto, puxei a pele dos meus braços, não satisfeita olhei dentro da minha blusa. Uns PEITÕES que meu deus.
De repente a campainha toca. Olhei para um lado, olhei para o outro e fui em direção a porta que estava de frente para o corredor.
Abri bem de vagarzinho abaixei e olhei em uma frestinha que fora formada na abertura, o homem que estava a frente da porta abaixou-se tambem e perguntou:
-Sra Helora?
Desconfiada perguntei-lhe
-Quem gostaria?
-Sou o Daniel, da loja de buffet e aluguel de vestido de casamento.
-CASAMENTO?
-Sim, e você marcou uma visita para cuidarmos dos detalhes.
Pensei: E agoraaa? Casamento? quando? com quem? porque?
Perguntas sem resposta me vieram na cabeça.
Daniel, olhando para mim, com uma interrogação no olhar.
-É mesmo? Então pode deixar suas coisas ..... - olhei em volta e vi uma sala bem aconchegante, com um sofá comprido, cor marrom claro de frente para a televisão de tela plana.
Olhei e fiquei admirada com a decoração bem feita.
-...aqui em cima mesmo.
-okay, mas tem alguma mesa para eu apoiar as coisas?
Olhei ao redor novamente, com o objetivo de achar uma mesinha pequena. Ao lado do corredor havia uma escada. A escada com um carpete avermelhado escuro, bonito, combinando com a moldura das fotos penduradas. Começei a subilas vagarosamente para observar as fotos, que por sinal tinha eu e um homem.
Pensei novamente: Noooossa! que gato. Que homem lindo. Será que esse é meu marido?
Logo fui interrompida por Daniel, que me olhava do pé da escada.
-Você não acha melhor eu voltar outra hora?
-Porque?
-Ha, parece que a Sra, está meio perdida, meio deslocada.
-Ok, se não se importar.
-Cláro que não.
Acompanhei-o até a porta e despedi-me. Fechei a porta rapidamente e voltei a subir as escadas.
Subindo, subindo e continuando a subir a observar as fotos felizes que mostravam um casal que se amava.
Parei no corrimão da escada, fechei os olhos e sorri. Com aquele. Com aquele sorriso de satisfação.
De repente escuto um barulho de passos, chave, bufadas.
Subi os ultimos degraus correndo. Ao chegar no 1° andar, havia uma mesinha de canto, comprida e de altura média, com a superficie de vidro. Não sei como, mas consegui me enfiar ali em baixo.
Os passos vão se aproximando e começo a escutar uma voz masculina:
-Heloraaaa?!
-Heloraaa?! Cadê você?
Vejo só o ultimo pé no ultimo degrau. Quando olho mais em cima, o cara lindoooo das fotos está a me olhar de canto e com um sorriso de deboche apoiando no corrimão.
-O que você está fazendo ai?
Fico sem graça e continuo sem reação.
-Ha...é...humm....estou....fazendo uma experiência.
-Que experiência?
-Como as revistas se sentem.
-uAHSUHASUHASUHUHSAUSHAUHSUAHSUH
Ouço risos bem altos.
Vou saindo e esticando de vagarzinho.
-Então, nós não tinhamos combinado de jantar naquele nosso restaurante?
-Que restaurante?
-Aquele que vamos todas as vezes. Fiz reservas para hoje.
Derrepente o telefone toca.
-Alô?
-só um minuto.
-Amor, ainda vamos lá?
-olhei novamente com um olhar de interrogação.
Falando baixinho para mim:
-Vamos ou não?
-Ha, estou meio cansada.
-Sr. Não iremos mais esta noite. Surgiu um imprevisto aqui. Okay? Deixa para uma proxima vez.
Desligou o telefone e veio em minha direção.
Olhando fixamente para o labio inferior mais carnudo, mordendo o proprio lábio.
Tirou sua gravata vermelho vinho, abrindo os botões de sua camisa branca social e vindo na minha direção.
Pensei: OMG. É agoraa. Será mesmo real?
Me encostou na parede, me deu o primeiro beijo, sorriu e começou a puxar levemente minha blusa em direção ao meu ombro. Me beijou até o pescoço e começou a dar algumas mordiscadinhas. Já chegando nas nuvens do momento, gemi ao ouvido dele.
Só vi de canto um sorriso malicioso de satisfação.
Indo de parede em parede, até chegar na cama. Me jogou com uma força, me olhou nos olhos e continuou vindo. Mordeu meus labios e incrementou em um beijo comprido.
Quando abri meus olhos, não senti mais nada. Só me vi beijando o travesseiro e a coberta em cima de mim.


ODEIO ESSA PARTE ;~;
UHASUHASUHSUH
Tudo que é bom, acaba rápido =/

Desculpa deixar todos na decepção.

2 comentários:

DILANA disse...

Helora. ..que susto esse conto,meninaaaaaaa...kkkkkkkkkkkkk

Prof.Isael Santiago disse...

aiaiaiiiiii
beijos compridos